Home / Geral / Brasil / CASTRO ALVES E SEU POEMA DESESPERADO PELO AMOR DA ATRIZ EUGÊNIA CÂMARA

CASTRO ALVES E SEU POEMA DESESPERADO PELO AMOR DA ATRIZ EUGÊNIA CÂMARA

Paulo Peres

Poemas & Canções

A peça estreada no Teatro São João não foi poupada por alguns dos maiores literatos do país: José de Alencar escreveu: “Há no drama Gonzaga exuberância de poesia. Mas, deste defeito a culpa não foi do escritor; foi da idade”. Machado de Assis, por sua vez, ponderou ser necessário o poeta “separar completamente a língua lírica da língua dramática”. Críticos teatrais lamentaram o elenco, considerado amador, formado por atores inexperientes. Se procedentes, ou não, as críticas, o fato é que a volta de Castro Alves à Bahia ao lado de Eugênia para encenar um drama histórico, sacudiu o marasmo da província que se rendeu de amores pelo casal.

O baiano Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871), considerado um dos mais brilhantes poetas românticos brasileiros, é chamado de “cantor dos escravos” pelo seu entusiasmo diante das grandes causas da liberdade e da justiça: a independência da Bahia, a insurreição dos negros de Palmares, o papel da imprensa e acima de tudo isso a luta contra a escravidão.

O poema “O Gondoleiro do Amor” concentra toda a face lírica do poeta, porque descreve o trajeto de um amor de início inconstante, que vai se concretizando e superando os elementos predominantes ao possuir uma mulher de carne e osso, afeita às sugestões de um cenário perfeito para a plenitude amorosa.

Castro Alves e Eugênia Câmara

O poema é uma barcarola dedicada a Eugênia Câmara, atriz portuguesa e o grande amor de Castro Alves. Vale ressaltar a associação da cor dos olhos da “dama negra” com a ideia de profundidade.

O GONDOLEIRO DO AMOR
Castro Alves

Teus olhos são negros, negros,
Como as noites sem luar…
São ardentes, são profundos,
Como o negrume do mar;

Sobre o barco dos amores,
Da vida boiando à flor,
Douram teus olhos a fronte
do Gondoleiro do amor.

Tua voz é a cavatina
Dos palácios de Sorrento,
Quando a praia beija a vaga,
Quando a vaga beija o vento;

E como em noites de Itália,
Ama um canto o pescador,
Bebe a harmonia em teus cantos
O Gondoleiro do amor.

Teu sorriso é uma aurora,
Que o horizonte enrubesceu,
-Rosa aberta com o biquinho
Das aves rubras do céu.

Nas tempestades da vida
Das rajadas no furor,
Foi-se a noite, tem auroras
O Gondoleiro do amor.

Teu seio é vaga dourada
Ao tíbio clarão da lua,
Que, ao murmúrio das volúpias,
Arqueja, palpita nua;

Como é doce, em pensamento,
Do teu colo no langor
Vogar, naufragar, perder-se
O Gondoleiro do amor!?…

Teu amor na treva é – um astro,
No silêncio uma canção,
É brisa – nas calmarias,
É abrigo – no tufão;

Por isso eu te amo querida,
Quer no prazer, quer na dor…
Rosa! Canto! Sombra! Estrela!
Do Gondoleiro do amor

Veja Também

APÓS 77 ANOS DE SUA PUBLICAÇÃO, “O PEQUENO PRÍNCIPE” É O MAIS LIDO EM TODO O MUNDO

Júlia de AquinoInstagram literário @juentreestantes “É preciso que eu suporte duas ou três larvas se ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *