Home / Geral / Brasil / DIANTE DA SOLTURA DE ANDRÉ DO RAP, MORO DIZ QUE PRISÃO EM 2ª INSTÂNCIA TEM QUE EXISTIR NO BRASIL

DIANTE DA SOLTURA DE ANDRÉ DO RAP, MORO DIZ QUE PRISÃO EM 2ª INSTÂNCIA TEM QUE EXISTIR NO BRASIL

Paulo Roberto Netto
Estadão

Ex-ministro Sergio Moro

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro defendeu nesta terça-feira, dia 13, que o Congresso Nacional volte a se debruçar sobre projetos de lei que tratam da possibilidade de prisão após condenação em segunda instância. Segundo o ex-juiz da Lava Jato, a soltura de um dos líderes do PCC, o traficante André do Rap, deveria ‘incentivar’ os parlamentares a discutir a proposta.

Moro também defendeu a revogação do parágrafo único do artigo 316 do Código Processual Penal. A norma prevê que a prisão preventiva deverá ser reavaliada pela Justiça a cada 90 dias, e foi usada na justificativa do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, ao soltar André do Rap.

PRAZO – Segundo Mello, o caso envolvendo o traficante não havia sido reavaliado dentro do prazo dos 90 dias, o que tornou a sua prisão ilegal. A liminar foi revogada pelo presidente da Corte, ministro Luiz Fux, mas André do Rap já havia deixado a penitenciária de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo. Atualmente, ele se encontra foragido.

“O debate sobre a soltura do traficante deveria incentivar a votação de boas propostas no Congresso, como a que prevê a volta da prisão decorrente da condenação em segunda instância e a que propõe a revogação do parágrafo único do art. 316 do CPP”, afirmou Moro. A discussão sobre a prisão em segunda instância voltou à tona após a soltura de André do Rap.

André do Rap é o maior atacadista de cocaína do Brasil

O líder do PCC havia sido condenado pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) em uma das ações penais que responde por tráfico, porém respondia ao processo em liberdade até ter a prisão preventiva decretada em setembro do ano passado.

Deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ)

RETOMADA DE COMISSÃO – Um grupo de parlamentares apresentou ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), um pedido para a retomada da comissão que discutia uma PEC sobre a prisão em segunda instância. Os trabalhos haviam sido suspensos em março devido à crise do novo coronavírus, tema que pautou o Congresso desde o início da pandemia.

Em ofício, os parlamentares dizem que se a PEC da Segunda Instância já tivesse sido votada e aprovada pelo parlamento, a soltura de André do Rap não teria ocorrido. O documento enviado à Maia é assinado pelo deputado Marcelo Ramos (PL-AM) e subscrito pelo relator da PEC, deputado Fábio Trad (PSD-MS), e o autor da proposta, Alex Manente (Cidadania-SP).

Os deputados dizem que é preciso dar uma ‘solução estruturante’ para o ordenamento processual. “Sem fulanizar o processo legislativo, mas buscando oferecer um judiciário mais célere, eficiente e efetivo pro povo brasileiro”, argumentam.

Veja Também

PT DEFINHA SEM O APOIO DO ELEITOR POBRE. TEM CHANCE APENAS EM 2 CAPITAIS

Bruno BoghossianFolha No início da última semana, Jilmar Tatto, candidato a prefeito pelo PT, foi ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *