Home / Geral / Alto astral / AO INVÉS DE REDUZIR OS SALÁRIOS DOS SERVIDORES, QUE TAL ACABAR COM MORDOMIAS DO TRÊS PODERES?

AO INVÉS DE REDUZIR OS SALÁRIOS DOS SERVIDORES, QUE TAL ACABAR COM MORDOMIAS DO TRÊS PODERES?

Vicente Limongi Netto

Aplaudo e endosso o expressivo artigo (Correio Braziliense-27/3) do presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União (Sindilegis), Petrus Elesbão, intitulado “Cada um por si e o Estado contra quase todos”, repudiando manobras sorrateiras e demagógicas de deputados contra servidores públicos. Elesbão salienta com rigorosa clareza: “Por que tirar dinheiro de quem consome para salvar quem produz? Certamente  será um suicídio econômico”.

Nessa linha, é lamentável que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, dê asas a essa colossal pantomima. Tudo indica que deputados obscuros como Carlos Sampaio, Alexis Fonteyne (conselheiro do Vasco, coitado do Vascão!), Marcel Vanhattem e Ricardo Izar, entre outros medonhos criadores da indecorosa PEC, foram infectados pelo vírus da patetice, do cinismo, da demagogia e dos holofotes fáceis, diante da desastrada iniciativa que pretende diminuir salários de servidores para ajudar no combate ao coronavírus.

FAZER CARIDADE… – É bom os transloucados Sampaio, Izar, Alexis etc. consultarem um infectologista. Devem achar cômodo fazer caridade com o chapéu alheio.

Por ora, a vil iniciativa foi derrotada. A emenda do partido Novo (leia-se: dos banqueiros) foi retirada da pauta da votação do “Orçamento de Guerra”.  Seguramente permanecerá derrotada, porque vai na contramão da legalidade e do bom senso.

Magistrados de tribunais superiores e outras respeitadas entidades de classe, a exemplo do Sindilegis, seguramente não permitirão que o imoral, inconstitucional, inconsequente, inacreditável e raquítico projeto ganhe fôlego nem ultrapasse o portão da sensatez.

O caso da pandemia mostra que os servidores públicos têm  o respeito dos brasileiros. Trabalham com dedicação. Contribuem para o crescimento do país. Como a maioria dos brasileiros, os servidores têm compromissos, obrigações e boletos a pagar. Muitos contribuem nas despesas de saúde, educação e vestuário também de filhos e netos.

É um absurdo cortar salários de quem movimenta a economia. O saudoso Carlos Lacerda lembrava que servidor público não ganha eleição. Mas atrapalha bastante.

Nesse sentido, se o Executivo, Legislativo e Judiciário desejarem realmente ajudar no combate ao coronovírus, ao invés de reduzir salários de abnegados servidores, poderiam abater outras despesas. Exemplos: cortar 50% dos gastos dos Palácios da Alvorada, Planalto, Buriti e residências dos presidentes da Câmara e do Senado; suspender o cartão corporativo das autoridades; colocar na garagem carros oficiais de autoridades e servidores de elite dos três Poderes; suspender vôos da FAB para atender a imensa turma de folgados engravatados; e extinguir suspender, por fim, o auxílio-moradia e outros penduricalhos.

As sessões e deliberações estão sendo virtuais. Ninguém precisa vir a Brasília.

Concluindo, o senador Fernando Collor manifestou irrestrito apoio, no facebook e no instagram, ao movimento #todoscontraocorona para transformar o milionário Fundo Eleitoral e o orçamento impositivo em fundos para combater o coronavírus. Os servidores gostariam de saber a opinião dos notáveis deputados Carlos Sampaio, Ricardo Izar e outros do melancólico time, sobre tal iniciativa.

Veja Também

CARIRIEISSO(TERÇA/26/05): DIRETO DE BRASÍLIA O REPÓRTER GENÉSIO ARAÚJO JUNIOR

Vamos ouvir o comentário desta terça-feira, dia 26 de maio, do jornalista brasiliense Genésio Araújo ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *