Home / Geral / Cariri / DÓRIA SE DESCONTROLA, ATACA BOLSONARO E REUNIÃO DE GOVERNADORES TERMINA NAQUELE SURURU

DÓRIA SE DESCONTROLA, ATACA BOLSONARO E REUNIÃO DE GOVERNADORES TERMINA NAQUELE SURURU

Silvia Amorim, Gustavo Maia e Thais Arbex
O Globo

A reunião do presidente Jair Bolsonaro com governadores do Sudeste na manhã desta quarta-feira, dia 24, teve bate-boca e os discursos descambaram para questões políticas e eleitorais.

O momento mais tenso foi protagonizado por Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria. O paulista ameaçou ir à Justiça contra o governo federal caso haja confisco de equipamentos e insumos destinados ao combate do novo coronavírus no estado.

“DEMAGOGIA” – Bolsonaro reagiu ao discurso de Doria e, entre outras acusações, disse que o governador faz “demagogia barata” neste momento com objetivos eleitorais em 2022.

Participam da reunião os governadores Wilson Witzel (Rio de Janeiro), Romeu Zema (Minas Gerais) e Renato Casagrande (Espírito Santo), além de ministros como Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), entre outros. A reunião, que acontece por videoconferência, ainda está em andamento.

ADVERSÁRIOS – O clima do encontro destoou das demais reuniões feitas por Bolsonaro com os outros governadores do país desde segunda-feira. O encontro desta manhã aconteceu um dia depois do pronunciamento de Bolsonaro em rádio e televisão em que defendeu um afrouxamento das medidas de restrição à Covid-19. Witzel e Doria são os governadores que Bolsonaro considera seus maiores adversários políticos.

Bolsonaro foi cobrado na reunião desta manhã a dar “o exemplo” ao país. Irritado com a fala do governador de São Paulo, Bolsonaro partiu para o ataque: “Essa situação (de Dória como) porta-voz (dos outros governadores) pra mim não serve. Senhor governador João Doria, faça a sua parte, o governo federal está pronto para colaborar, como sempre esteve. Vossa excelência foi que fechou as portas para nós. Resolveu partir para a campanha antecipada de 22 em vez de buscar o bem estar do seu povo paulista, para minorar os problemas que se avizinhavam. Assim, sendo, respondendo a vossa excelência, não atacando, mas apenas respondendo seus ataques infundados”.

CALMA E EQUILÍBRIO – Bolsonaro passou a palavra para o ministro da Saúde, Luiz Mandetta, que diante da discussão entre eles pediu calma: “O momento, quando se tem uma crise dessa proporção, a primeira palavra que a gente precisa ter é calma e equilíbrio”.

Governadores também pediram ao presidente nesta quarta-feira que inicie negociações com o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para que o pagamento das dívidas dos estados com essas instituições seja adiado por até um ano.

Veja Também

GENÉSIO DE ARAÚJO JR(24/09): POR QUE NOVA CPMF BOLSONARO? POR QUE NÃO TRIBUTAR AS GRANDES FORTUNAS?

Vamos ouvir o comentário desta quinta-feira, dia 24 de setembro, do jornalista brasiliense Genésio Araújo ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *