Home / Geral / Brasil / CRISE ECONÔMICA PÓS PANDEMIA, SERÁ COLOCADA NO COLO DOS GOVERNADORES

CRISE ECONÔMICA PÓS PANDEMIA, SERÁ COLOCADA NO COLO DOS GOVERNADORES

Coluna Brasília-DF

A estratégia de comunicação direta do governo, via redes sociais, e as entrevistas na porta do Palácio da Alvorada devem ser substituídas por notas oficiais. A ordem é evitar que o presidente fique exposto. A avaliação é de que, toda as vezes que ele se irrita com perguntas de jornalistas, fica pior.

Ali é que mora o perigo

Tem incomodado aos palacianos o fato de os anúncios nas redes sociais serem seguidos de uma onda de comentários negativos. O pior momento foi a decisão de suspensão dos salários, revogada em seguida. Bolsonaro não quer repetir aquela dose de ataques que recebeu nas redes. O problema é que, diante da pandemia, com os países tomando medidas de quarentena no mundo, o presidente está a cada dia mais isolado.

O medo dos gestores

Os preços elevados cobrados no mercado internacional, para os equipamentos de saúde, tem feito com que os responsáveis pelas compras governamentais pisem no freio na hora de adquirir produtos às pressas lá fora. O receio é que, quando a pandemia passar, o responsável fique “pendurado” no Ministério Público. A opção é comprar por aqui mesmo. Assim, além de preservar empregos, o governo consegue negociar na mesma moeda e não se endividar ainda mais em dólares.

Eles estão cansando- O pronunciamento de Bolsonaro, ontem, pegou de surpresa até seus apoiadores. Se com todas as medidas o número de casos subir, e houver um colapso no sistema de saúde, o presidente será responsabilizado.

Mourão na encolha- O vice-presidente Hamilton Mourão tem ficado mais quieto do que nunca.

Depois não digam que não avisei- Auxiliares tentaram pedir ao presidente que fizesse o pronunciamento outro dia, que evitasse polêmica e coisa e tal. Ele não quis. Há quem diga que Bolsonaro está morando em… Plutão.

Tá assim de fake news- Nas redes sociais de WhatsApp nas quais os mais aguerridos apoiadores do presidente postam todos os dias, há uma estratégia deliberada de desacreditar a imprensa, na mesma linha da que o presidente afirmou ontem. Há, inclusive, o uso de uma foto em que o cinegrafista aparece com roupas normais e o repórter todo paramentado como médico de UTI. A montagem da foto é visível a olho nu.

Bolsonaro quer se eximir de culpa da crise econômica e jogar tudo no colo dos adversários

O pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro foi considerado um ponto político fora da curva para quem se disse avesso à mistura de política com ações de combate ao coronavírus. Isso porque passa a muitos a ideia de que o presidente está de olho, lá na frente, em 2022. Seu cálculo, compartilhado por alguns dos mais próximos, é marcar diferenças agora para seus potenciais adversários, em especial, o governador de São Paulo, João Dória.

A preços de hoje, Dória é visto como o maior adversário de Bolsonaro. Nessa terça-feira, São Paulo viveu o primeiro dia do fechamento de comércios e serviços não-essenciais. Wilson Witzel, do Rio de Janeiro, outro potencial concorrente, está há mais de uma semana tentando tirar os cariocas das ruas e das praias. Fechou bares, restaurantes, lojas.

Se a economia não estiver bem lá na frente, — e, por causa do coronavírus já há quase um consenso de que não estará — Bolsonaro sempre poderá dizer que, “eu tentei salvar a economia, reduzir o estrago, e me taxaram de louco”.

Nenhuma ação dos governadores foi feita longe do que está em curso em quase todos os países do mundo e até os Estados Unidos, que Bolsonaro vê como um modelo a ser seguido, a quarentena impera. A Disney fechou, a NBA, o basquete mais famoso do mundo, suspendeu a temporada. E, para completar, algumas horas antes do pronunciamento do presidente, Tóquio anunciou o adiamento das Olimpíadas deste ano.

A contar pelo discurso de Bolsonaro, todos estão errados e ele, certo. Ele sabe que não é culpado dessa derrocada mundial causada pelo vírus, mas arma sua jogada para ficar ainda mais longe desse estrago.

Bolsonaro aposta no mercado futuro. Considera que o coronavírus viverá seu ciclo e, depois, alguém terá que recuperar a economia. Da mesma forma que, em 2018, se apresentou como aquele que “tiraria o país da corrupção”, ele quer ser, em 2022, o dono da mensagem de que o vírus passa, mas a economia permanece.

Veja Também

COISA FEIA: SENADO NÃO QUER ABRIR MÃO DO FUNDO DE CAMPANHA PARA COMBATE AO CORONAVÍRUS

Márcio Falcão e Fernanda VivasG1 O Senado recorreu da decisão da Justiça Federal em Brasília ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *