Home / Geral / Brasil / APÓS A MORTE DO MILICIANO, BOLSONARO EVITA ENTREVISTAS

APÓS A MORTE DO MILICIANO, BOLSONARO EVITA ENTREVISTAS

Ingrid Soares
Correio Braziliense

O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar a imprensa, na manhã desta segunda-feira (10/2), na saída do Palácio da Alvorada e afirmou que a mídia deturpa as declarações que ele concede. “Tem uma série de problemas no Brasil, gostaria de compartilhar com vocês, mas como será deturpado, isso acabará dificultando a solução. Então, lamento. Mas não vou conversar nada com vocês, tá ok? O dia em que vocês, com todo o respeito, transmitirem a verdade, será muito salutar eu conversar meia hora com vocês, problemas dos mais variados possíveis, dá para resolver, gostaria de compartilhar, repito, não o faço por quê? Ao haver deturpação a solução ficará mais difícil, talvez impossível. Então lamento não poder conversar com vocês”, apontou.

Também no último sábado (8/2), o chefe do Executivo demonstrou sua insatisfação com a imprensa e criticou a cobertura dos jornais sobre o seu posicionamento quanto aos custos que um portador do vírus HIV trazem para o Brasil.

AIDÉTICO CUSTOSO – Bolsonaro reforçou o entendimento de que “qualquer pessoa com HIV é custoso para o mundo” e, em determinado momento, usou os braços para dar uma “banana” aos jornalistas que o esperavam na saída da residência oficial.

Na última quarta-feira (5/2), ao comentar a campanha de abstinência sexual da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, Bolsonaro afirmou que “uma pessoa com HIV, além de ser um problema sério para ela (si própria), é uma despesa para todos aqui no Brasil”.  O chefe do Executivo falava sobre o caso de uma jovem que supostamente teve o segundo filho aos 15 anos e que contraiu HIV na terceira gravidez.

“Na semana passada, falei de uma menina que deu à luz pela terceira vez aos 16 anos de idade sendo aidética. Isso que eu falei. O que faltou? Faltou uma mãe, uma avó, pra não começar a fazer sexo tão cedo. Qualquer pessoa com HIV, além do problema de saúde dela gravíssimo, que nós temos pena, é custoso para todo mundo. Vocês focaram no que o aidético é oneroso no Brasil”, apontou o presidente ainda no sábado.

LEVANDO PORRADA – Para Bolsonaro, ao agir dessa maneira, a imprensa “só faz fofocas”.

O presidente também alegou estar sendo manchado pelos jornalistas e que está “levando porrada de tudo quanto é grupo de pessoas que tem esse problema, lamentavelmente”.

Veja Também

DIZEM QUE CAMILO QUER UM CARIRI POLITICAMENTE PACIFICADO, DESDE 2020

Conversando ontem com um colega jornalista fortalezense após este ter lido matéria dando conta do ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *