Home / Geral / Brasil / MAIS UMA DO CONGRESSO: QUER DOBRAR FUNDO ELEITORAL COM O POVO PASSANDO FOME

MAIS UMA DO CONGRESSO: QUER DOBRAR FUNDO ELEITORAL COM O POVO PASSANDO FOME

Gerson Camarotti
G1

Integrantes da equipe econômica viram com preocupação o movimento do Congresso Nacional para ampliar o fundo eleitoral para R$ 3,8 bilhões. Os recursos são destinados a financiar as campanhas municipais de 2020.

O valor defendido por parlamentares é quase o dobro dos R$ 2 bilhões propostos pelo governo. Ao invés de o Congresso discutir formas de baratear gastos de campanha em plena era digital, o Legislativo se coloca na contramão de movimentos que apostam cada vez mais na internet.

APOIO – A proposta de aumentar o valor do fundo eleitoral é do relator do Orçamento, o deputado Domingos Neto (PSD-CE), e tem o apoio das principais legendas do Congresso. Apenas Cidadania, Novo, Rede, Podemos e PSOL se posicionaram contra o aumento. O texto precisa ser aprovado na Comissão Mista de Orçamento (CMO) e no plenário do Congresso.

Deputado federal Domingos Neto é o que mais luta por isso. Adora se locupletar com dinheiro público. Esse deputado é um parasita.

A CMO tem sessão marcada para a tarde desta quarta-feira, dia 4, e pode votar a ampliação do fundo. Ao G1, Domingos Neto afirmou que o valor do fundo poderá aumentar porque houve revisão na estimativa de receitas da União e no montante destinado às emendas de bancada. Mas, esta não é a avaliação da equipe econômica.

SEM JUSTIFICATIVA – “O Orçamento não dobrou para justificar esse aumento de quase 100% no fundo eleitoral”, disse ao Blog um integrante do governo, ressaltando que este é um momento de restrição orçamentária e com um valor muito baixo destinado para investimento no país. “Todo mundo tem que dar uma cota de sacrifício”, completou.

Recentemente, o Congresso deu exemplo de responsabilidade fiscal ao aprovar a reforma da Previdência. Por isso, para integrantes da equipe econômica, é preciso bom senso para compreender que está faltando dinheiro em áreas importantes do país.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG 
– Em poucas palavras, Camarotti sintetizou, até de forma sutil, a falta de pudor e a ávida ganância dos parlamentares em abocanhar uma fatia ainda maior dos recursos públicos. Em uma época na qual os meios tecnológicos facilitam a propagação de notícias, facilitam campanhas e reduzem custos, é contraditória essa demanda por um fundo ainda maior. Isso sem falar na tal cota de sacrifício citada e propagada. Enquanto o Congresso quer mais dinheiro, a população carece do básico, do essencial, em todos os setores. Concluindo com a citação excepcional do jornalista Ricardo Amorim: “Fundo eleitoral tem de acabar. O dinheiro tem de ir para a educação básica. 40% dos estudantes de 15 anos não compreendem um texto simples… Mas se investirmos em educação básica e todos entenderem o que leem, quem votará em políticos que usam dinheiro público em suas campanhas, ao invés de escolas?”

Veja Também

MICHELLE BOLSONARO SE EMPANTURROU DE REPASSES DAS RACHADINHAS DO FLÁVIO

Deu no O Tempo A quebra do sigilo bancário de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *